Escrito em por

pinhais06

 

A doença pode atingir olhos, nariz, orelhas, braços, mãos, pernas e pés, podendo causar deformidades físicas, mas que podem ser evitadas com o diagnóstico precoce e tratamento imediato

A Prefeitura de Pinhais, por meio da Secretaria de Saúde, promoveu uma campanha de conscientização sobre a hanseníase, com distribuição de materiais informativos pelas equipes em todas as Unidades de Saúde da Família do município. Além disso, também foi feita a divulgação de informe epidemiológico para os profissionais da rede de assistência.

Manchas na pele, esbranquiçadas, avermelhadas ou amarronzadas, com perda da sensibilidade ao calor, frio ou toque e ou diminuição da força muscular podem ser sinais da doença. Em caso de dúvida, procure a unidade de saúde mais próxima da sua casa.

A hanseníase é uma doença infectocontagiosa que afeta a pele e os nervos periféricos. Pode atingir olhos, nariz, orelhas, braços, mão, pernas e pés, podendo causar deformidades físicas, mas que podem ser evitadas com o diagnóstico precoce e tratamento imediato.

A doença é transmitida por meio de contato próximo e prolongado de uma pessoa suscetível (com maior probabilidade de adoecer) com um doente com hanseníase que não está sendo tratado. Normalmente, a fonte da doença é um parente próximo que não sabe que está doente, como avós, pais, irmãos, cônjuges, etc.

A bactéria é transmitida pelas vias respiratórias (pelo ar) e a mais provável via de entrada no organismo são as vias aéreas superiores (mucosa nasal e orofaringe), por meio de contato próximo e prolongado, muito frequente na convivência domiciliar, e não pelos objetos utilizados pelo paciente. Estima-se que a maioria da população possua defesa natural (imunidade) contra o M. leprae.

Portanto, a maior parte das pessoas que entrarem em contato com o bacilo não adoecerá. A transmissão se dá por meio de uma pessoa com hanseníase, forma infectante da doença MB, sem tratamento, que elimina o bacilo para o meio exterior, infectando outras pessoas suscetíveis.

Estima-se que 90% da população tem a defesa natural que confere imunidade contra o M. leprae, e sabe-se que a suscetibilidade ao bacilo tem influência genética. Assim, familiares de pessoas com hanseníase possuem chances maiores de adoecer. O período de encubação dura em média de 2 a 7 anos, mas há referências a períodos mais curtos, de 7 meses, como também mais longos, de 10 anos.

Serviço

Para mais informações procure o Centro de Controle de Agravos (CCA), localizado na Rua 15 de Novembro, 92, bairro Estância Pinhais. Telefones: (41) 3912-5399 ou 3912-5308.

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)