Escrito em por

pinhais03

A iniciativa faz parte das atividades desenvolvidas com os pacientes em tratamento que, entre as motivações, voltaram a estudar

 

Quem tem a experiência de se entregar à leitura sabe o quão inspiradora e, porque não, transformadora ela pode ser. Foi pensando nisso, que o Centro de Atenção Psicossocial – Álcool e outras Drogas (CAPS – AD), por meio da servidora Jennifer da Cruz Costa Neco, criou uma Oficina de Leitura com os usuários do serviço. O setor é vinculado à Secretaria Municipal de Saúde.

“Percebia que eles apresentavam dificuldades para leitura e escrita, por falta de escolaridade ou por insegurança. Na época, eu estava cursando Pedagogia e a coordenadora Leni Pereira da Silva Ribeiro fez a proposta para realizar uma oficina, sabendo que eu amo livros. Eu aceitei e foi assim que, em conjunto, a criamos”, explica Jennifer.

A oficina teve início no ano de 2018 e, segundo a idealizadora do projeto, a aceitação tem sido positiva. Entre os principais resultados está o retorno de muitas pessoas para a escola, a fim de terminar o Ensino Fundamental ou Médio. “Alguns falam em futuramente ingressar no Ensino Superior, também estão conseguindo se expressar melhor em público, escrever textos, tirar um tempo para si mesmos e ler um livro de mais de 300 páginas, por exemplo”.

Jennifer conta que outra conquista neste período é que as oficinas viabilizaram a vinda de escritoras e contadores de histórias até o serviço. Além disso, conseguiram a doação de livros e a implantação de uma pequena biblioteca. “Isso estimula a leitura pelos usuários e pelas demais pessoas que transitam diariamente pelo CAPS-AD”, ressalta.

Para finalizar, ela defende o porquê é tão significativo incentivar esta iniciativa. “É através do hábito de ler que se abrem as portas para o mundo, auxiliando na leitura, escrita, interpretação de textos, entre outras atividades que ajudem no seu dia-a-dia, e ainda na inserção dos usuários em práticas cotidianas diferentes das que estão habituados”.

Um dos frequentadores assíduos da Oficina é Arildo Alves de Miranda e ele conta como o aprendizado tem impactado na sua vida. “Está sendo ótimo, em termos de leitura estamos tirando muito proveito. Até escrevi um texto, com a ajuda da Jennifer, com coisas que a gente vê no dia-a-dia, que ouve, dos livros, e fui colando no papel. Então, a cada quinta-feira fico eufórico para uma nova oficina de leitura”, declarou.

Para ele, o incentivo é muito válido, pois muda hábitos e o interesse pelos livros. “Eu não tinha o costume de ler, e agora estou pegando mais os livros, quando não tenho em casa, levo daqui, pesquiso algum livro novo na geladeira”, compartilha. Arildo já descobriu suas preferências literárias. “Gosto muito de romance, e também contos. Não sou daqueles que devora um livro, leio um pouco, vou fazer outra coisa, leio mais um pouco. Quando vejo já terminei e quero pegar outro”.

Ele finaliza reconhecendo que para o seu tratamento faz muita diferença por mantê-lo ocupado. “Se você sai daqui e não tem um foco, acaba indo procurar outro lugar. Então, eu vou pra minha casa, faço minhas coisas, pego um livro, leio um pouco, sem o propósito de terminar no dia. O livro leva a gente para outros caminhos”, opina o usuário do CAPS-AD.

Geladeira com livros

O CAPS-AD integra um projeto realizado pela Biblioteca Pública de Pinhais, o Alimente a Mente, que consiste em uma geladeira customizada que abriga diversos exemplares de literaturas variadas. As obras estão disponíveis para leitura no local ou mesmo para empréstimo, sem necessidade alguma de cadastro por parte do interessado. A iniciativa acaba complementando as ações da Oficina de Leitura.

CAPS-AD

O CAPS-AD tem por objetivo atender pessoas que apresentam transtornos decorrentes do uso/abuso e dependência de substâncias psicoativas (álcool e outras drogas) e suas comorbidades, adultos e adolescentes (a partir de 12 anos). Visa ainda, oferecer atendimento à população ao realizar o acompanhamento clínico e psiquiátrico e a reinserção social dos usuários pelo acesso ao trabalho, lazer, exercício dos direitos civis e fortalecimento dos laços familiares, sociais e afetivos. Este trabalho preventivo tende evitar ao máximo internações psiquiátricas priorizando o tratamento próximo à comunidade e a família.

Em conjunto com o usuário e seus familiares, produz um Projeto Terapêutico Singular que acompanhe o usuário nos contextos cotidianos, promovendo e ampliando as possibilidades de vida e mediando suas relações sociais. Promove inserção, proteção e suporte de grupo para seus usuários, no processo de reabilitação psicossocial. Desenvolve atividades como resgate e construção da autonomia, alfabetização ou reinserção escolar, acesso à vida cultural, manejo de moeda corrente, autocuidado, manejo de medicação, inclusão pelo trabalho, ampliação de redes sociais, dentre outros. Também faz visitas e atendimentos (domiciliares e à família), individual e em grupo.

Serviço

O CAPS-AD está localizado na Rua Antônio Andrade, 153, no bairro Maria Antonieta. Mais informações pelos telefones: (41) 3912-5382/3912-5394, ou e-mail: [email protected]

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)