Escrito em por

 

No Paraná, donos de veículos usados vão pagar menos Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) em 2017. Pesquisa de valor médio de mercado feita pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) aponta desvalorização média de 4,7% no preço desses bens no Estado, o que significa que contribuintes paranaenses que permanecem com o mesmo veículo devem desembolsar menos recursos para quitar o IPVA no próximo exercício.

O decreto que trata da cobrança do imposto para o próximo ano foi assinado na sexta-feira (16) pelo Governador Beto Richa.

O Paraná conta com 4,36 milhões de veículos tributados e 2,48 milhões não tributados. A frota de veículos que será tributada no Estado em 2017 teve redução de 0,55%, enquanto a de não tributados teve crescimento de 10,41%, em razão de ano de fabricação ou isenções legais.

PAGAMENTO

Os proprietários de veículos emplacados no Paraná começarão a pagar o IPVA relativo ao exercício de 2017 a partir de 23 de janeiro. O Estado concederá desconto de 3% aos contribuintes que optarem pela quitação em parcela única, conforme calendário por final da placa do veículo. Nos últimos anos, cerca de 40% dos donos de veículos pagaram à vista.

NOTA PARANÁ

Em 2017, pela primeira vez, muitos contribuintes terão o imposto quitado ou seu valor reduzido graças à adesão ao Nota Paraná. Ao todo 38.968 pessoas, donas de 39.267 veículos, solicitaram a transferência de créditos do programa para esse fim e terão R$ 6,1 milhões abatidos do IPVA.

Quem preferir, pode efetuar o pagamento em três parcelas, sem acréscimos, nos meses de janeiro, fevereiro e março, também observando os vencimentos de acordo com o final da placa.

ARRECADAÇÃO

A estimativa de arrecadação de IPVA prevista na proposta orçamentária de 2017 é de R$ 3,38 bilhões, 5% maior que a previsão de arrecadação em 2016, no valor de R$ 3,22 bilhões.

O cálculo do imposto, como em anos anteriores, foi feito pelo valor de venda do veículo, tendo como base levantamento feito pela Fipe e como referência os preços praticados no mercado do Estado em setembro de 2016.

A maior parte da frota terá alíquota de 3,5%. Ônibus, caminhões, veículos de carga, de aluguel ou que usam gás GNV pagam 1%. Há imunidade para veículos de propriedade da União, Estados e Municípios e isenção para táxi, ônibus de transporte urbano, para deficientes, destinados ao transporte escolar e os que foram fabricados há mais de 20 anos (antes de 1997).

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)