Escrito em por

por Noelcir Bello

IMG_7402

Esta semana nossa reportagem visitou o Restaurante Dom Guilherme, localizado na Rodovia João Leopoldo Jacomel, onde conversamos com o proprietário Guilherme. Durante a animada conversa, ele nos contou um pouco de como foi sua infância em meio a mata e os rios povoados por peixes.  Pioneiro na região, Guilherme sempre teve seu restaurante no mesmo endereço, sendo conhecido por sua feijoada e pelo salão para festas.

Nascido em Curitiba, onde passou seus primeiros anos de vida, nosso entrevistado disse que quando veio para Pinhais, ao dez anos de idade, ele e sua família sofreram um certo impacto, já que naquela época a cidade ainda não era tão desenvolvida. Porém, logo passaram a adorar a cidade e aproveitar todos os espaços disponíveis para as crianças brincarem. “Desde que cheguei aqui, moro no Bairro Palmital/Pineville, às margens da Rodovia João Leopoldo Jacomel. Adoro este lugar”, afirmou.

A chegada a Pinhais

No início, segundo Guilherme, só havia mato, poucas casas, sem ruas abertas, não havia energia elétrica ou água encanada. “A gente pescava no Rio Palmital, era muito divertido. Não era poluído. Também era normal caçar. Havia muitos pássaros e animais. Na época era permitido o consumo. Éramos poucos moradores, na verdade tinha umas cinco ou seis casas apenas. Vi a neve de 1975, ano em que fizeram o asfalto da Rodovia João Leopoldo Jacomel”, lembrou.

Para o nosso entrevistado, o grande diferencial para o desenvolvimento do Município foi o surgimento do shopping, junto ao Carrefour, que era frequentado por pessoas de Curitiba, que faziam suas compras e ainda faziam um passeio com a família. “Naquela época, não existia o Vila Amélia ainda, era apenas morro e mato. Eu, meu irmão e nossos amigos costumávamos ir até a região daquele bairro através de carreiros, trilhos no meio da mata, para caçar. Na Vila Maria Antonieta, havia apenas um conjunto habitacional, próximo ao CAIC. Quando abriu a Rodovia, o ponto final do ônibus era no Costelão do Pescador, na entrada daquela vila, pois nem rua havia para frente. O ônibus fazia a linha dali até a rodoviária velha de Curitiba, onde atualmente é o terminal do Guadalupe”, disse.

Guilherme contou ainda que a empresa de ônibus Expresso Azul já transportava os passageiros e a frota era composta por quatro ou cinco ônibus. A garagem era localizada no mesmo lugar de hoje, porém em um barracão de madeira. Os horários eram poucos e os atrasos frequentes, devido à qualidade das estradas e até mesmo dos ônibus.

Crescimento da cidade

Com o Luizão na Prefeitura, continuou Guilherme, Pinhais teve um enorme crescimento e está sendo muito bem cuidada. “Temos parques, asfalto e está tudo muito organizado. Não precisamos mais sair de Pinhais para encontrar as coisas para nosso trabalho. Podemos dizer que Pinhais tem de tudo, inclusive eu prefiro fazer minhas compras nas empresas daqui do município. Tenho visitado bem pouco a cidade de Curitiba e passo até meses sem ir lá”, comentou.

Guilherme destacou que as obras da Rodovia João Leopoldo Jacomel devem melhorar a mobilidade e trazer ainda mais progresso para a cidade, trazendo vantagens econômicas para os moradores e comerciantes de Pinhais.

O restaurante

Há dezoito anos Guilherme atua no ramo gastronômico e o seu restaurante foi o primeiro da região. “Tomei a decisão de abrir o restaurante junto com a família quando percebi a necessidade de atender as empresas da região. Tínhamos que oferecer uma opção para os nossos vizinhos. O nosso ponto forte é servir as empresas, mas atendemos também muitos moradores da região. Mesmo tendo fechado por um tempo, para fazer uma reforma completa, a maioria dos clientes retornaram”, garantiu.

O Restaurante Dom Guilherme atende de segunda a sábado, somente para o almoço, porém Guilherme já cogita a possiblidade de abrir aos domingos. “Por entender que aos domingos as empresas estão fechadas e que nós também precisamos descansar, sempre fechei aos domingos. Porém, já penso em atender a nova demanda do mercado. Trata-se do público dos vegetarianos, os quais sentem maior dificuldade em encontrar opção para almoço aos domingos”, contou o empreendedor.

A feijoada tradicional

O segredo da já tradicional feijoada do Restaurante Dom Guilherme está no preparo. O empresário garantiu que tudo é feito com ingredientes frescos, comprados no mesmo dia.

Para mais informações, ligue (41) 3033.6511 ou envie um e-mail para [email protected]

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)