Escrito em por

por Josiany Ohde

Todos

Foto: Josiany Ohde/PMQB

Evento reúne alunos de Quatro Barras, Curitiba e Campina Grande do Sul

 

A Escola Municipal de Educação Especial Joanna Valache, em Quatro Barras, sediou o 1º Torneio de Golf 7 – modalidade adaptada do golfe profissional para crianças e jovens especiais, portadores de deficiências intelectuais ou transtornos globais de desenvolvimento (TGD).

O golfe é praticado na escola há mais de três anos e serviu de inspiração para a diretora da escola, Izabel Kulevicz. “Eu e o professor Marcos tivemos a ideia de promover o torneio pela grande aceitação do esporte na escola”, contou. O 1º torneio reuniu cerca de 70 alunos, entre estudantes da Escola Joanna Valache, da APAE de Campina Grande do Sul e da Escola Primavera, de Curitiba.

Segundo o professor de Golfe, Marcos Farias, o torneio promoveu duas modalidades, a tacada e o buraco, e concedeu premiação para cada categoria. Na modalidade tacada feminina, o 1º lugar foi para a aluna Andressa, da Escola Joanna Valache; o 2º para Isabel, da Escola Primavera; e o 3º para Sandra, da APAE. Na modalidade buraco, pelo feminino, venceram as aulas Solange, da APAE; Luciana, da Joanna Valache; e Bruna, da Escola Primavera.

Na categoria masculina, o destaque na modalidade tacada foi para Lucas, da Joanna Valache, que ficou em 1º; Fábio, da Escola Primavera, em 2º; e Thiago, da APAE, em 3º. Na modalidade buraco, os três primeiros colocados foram Thiago, da Escola Joanna Valache; Alisson, da Escola Primavera; e Paulo, da APAE de Campina Grande do Sul.

Na classificação das escolas, a campeã foi a Escola Joanna Valache, a vice-campeã a Escola Primavera e a terceira colocada a APAE de Campina Grande do Sul. O torneio também promoveu uma classificação interna da escola em Quatro Barras nas duas modalidades. Pelo feminino, ficaram em 1º e 2º lugar na modalidade tacada as alunas Valdenilda e Jehanine; e na modalidade buraco as alunas Carol e Carina. No masculino, destaque para os alunos Ezequiel e Leandro, na modalidade tacada; e Wesley e Willian, pela modalidade buraco.

Idealização

A idealizadora e coordenadora do Golf 7 no Estado do Paraná, Fátima Cruz, acompanhou todos os preparativos e a realização do torneio, inclusive a marcação do campo. Ela conta que o Golf 7 foi uma adaptação do jogo profissional realizada em 1996, com características próprias e regras específicas para pessoas com deficiência.

“Inicialmente o projeto foi desenvolvido para alunos autistas. Depois, com o apoio da Federação de Golfe passamos a divulgar em outras instituições. A grande diferença do Golf 7 está no fato do jogo partir do aluno para o desporto, ou seja, ter sido pensado como uma atividade pedagógica, que estimula a educação, o cavalheirismo, a etiqueta, o índice de tolerância e a convivência social. Acredito que por esse motivo ele deu tão certo”, afirmou.

Para a diretora da escola, o torneio trouxe resultados positivos. “Além desta integração benéfica, os jogos incentivam a disciplina, o respeito, auxiliam no comportamento e o que sê vê é um grande momento de alegria”, afirmou Izabel. A secretária de Educação, Rosana Andreatta Franco; e a coordenadora da Educação Especial, Leila Busnardo Dolato, também acompanharam a realização do torneio e parabenizaram a iniciativa.

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)