Escrito em por

campina01

 

Uma atividade que está movimentando as escolas municipais de Campina Grande do Sul é a visita do casal de bonecos viajantes idealizado pela Coordenação de Projeto e aprovado por toda a equipe da Secretaria Municipal de Educação. Seguindo um cronograma, eles estão percorrendo as instituições com o compromisso de envolver os alunos durante o período em que estiverem hospedados no mundinho pedagógico de cada espaço, em suas atividades de rotina, como também aquelas que ocorrem em outros ambientes de aprendizagem.

Toda estadia é fotografada e registrada no “Diário de Bordo”, que, aos poucos, está sendo transformado em capítulos de uma história que servirá de referência, para que, a próxima escola acolhedora dê continuidade ao trabalho.

No momento da despedida, a instituição visitada deve sugerir um nome ao casal para que no final dessa viagem de conhecimento seja eleito o nome que melhor represente e identifique os bonecos dentro do contexto pedagógico, divertido, criativo e imaginário ao qual foram inseridos.

“Os objetivos desse trabalho são inúmeros, mas o mais importante é envolver as crianças e chamar a atenção para assuntos importantes os quais os bonecos estão vivenciando em cada realidade em que estão sendo inseridos de maneira a despertar a criatividade, imaginação, fantasia por meio da brincadeira e o resgate de um dos primeiros brinquedos existentes – boneco(a) de pano – brinquedo que é muito conhecido pelos bisavós, avós, pais de nossos alunos e que nos dias atuais, diante de tanta tecnologia, conectividade e interatividade, acabam esquecidos pelas crianças e podem auxiliar o trabalho escolar na realização de atividades principalmente envolvendo as questões relacionadas a produção e a leitura”, avalia Lismari Giacomitti, coordenadora de Projetos da Secretaria Municipal de Educação.

Até o momento, de acordo com os relatos no “Diário de Bordo”, temas como Trânsito, Alimentação, Profissão, Diversidade, Atividade Física, Meio Ambiente entre outros, foram abordados por onde eles passaram. É uma história que está sendo construída e poderá ser aproveitada na sequência por todos.

“Outro ponto a se destacar é a observância das semelhanças, diferenças e interdependência entre as realidades das escolas do campo e da cidade, uma vez que os bonecos vêm e vão, nos mostram as riquezas existentes entre esses espaços fundamentais para a manutenção da vida”, completa Lismari.

“Minha filha chegou em casa toda feliz, pois hoje na sala estavam presentes dois bonecos, que fazem parte de um projeto dentro de uma ação do Programa Agrinho. A turma podia colocar nome neles, a Yasmin sugeriu Jasmine e foi o nome escolhido pela turma. Ela queria trazer a Jasmine para casa e o Mateus para passar o dia com ela. Quero parabenizar os profissionais envolvidos no projeto, pois as crianças aprenderam de jeito divertido. Ver minha pequena chegar da escola feliz e contando sobre a aula foi muito gratificante”, relatou Bárbara Cristina Botini, mãe da aluna Yasmim Nicoly, da Escola Municipal Lucídio Florêncio Ribeiro.

“Adorei receber a visita dos bonecos, eles conheceram meus pais Cleverson e Josiane, minha irmã Antonella e minha prima Alanna. Enquanto minha mãe preparava o almoço ficamos assistindo TV. Comemos até ficar satisfeitos. Esperamos que venham nos visitar mais vezes”, disse Manuele Cristine Bandeira Dalprá, da Escola Municipal José Eurípedes Gonçalves.

“A turma do terceiro adorou a visita dos bonecos. Todos queriam carregá-los e realizar atividade com eles. Para a escolha dos nomes fizemos uma votação e os nomes escolhidos foram João e Maria. Fizemos a atividade da caixa de palavras junto com eles. Foi muito produtivo”, contou a professora Juliana Moreno.

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)