Escrito em por

por Noelcir Bello

DSC_9530

 

A artista plástica Adriana Figueiredo nasceu no município de Pérola, no norte do Paraná.

Chegou em Piraquara ainda criança e aos sete anos veio morar em Pinhais. Aos treze anos, começou a trabalhar em um consultório odontológico, mas já se dedicava ao artesanato. Desde 2006, dedica-se exclusivamente à família e ao artesanato.

Um começo difícil

Vinda de uma família carente, Adriana revelou que quando criança não tinha oportunidade para aprender, e, aos nove anos de idade, começou a trabalhar na casa de uma família.

Estudou no Colégio Mathias Jacomel e, nesta época, ela e seus colegas iam para a escola sozinhos. Não havia o medo de algum tipo de violência. “Atravessávamos o trilho do trem, que era apenas um caminho pequeno e cercado por grandes valetas perigosas e profundas. As ruas eram todas feitas de saibro”, recordou.

Aos 15 anos, se casou pela primeira vez, mas, por falta de apoio e incentivo do companheiro, acabou por se separar. Em 2006, se casou com o atual marido. Ricardo, seu esposo, a incentiva e ajuda a fazer novos cursos para melhorar a qualidade de seus produtos.

Montou seu atelier em casa

Desde que optou em trabalhar com artesanato, já realizou cursos de pintura em tela, MDF e muitos outros, sempre objetivando agregar ainda mais valor ao seu artesanato. Em 2005, decidiu montar seu atelier em sua própria casa, para atender as encomendas feitas por seus amigos e conhecidos.

Optou por trabalhar com o MDF, já que é o estilo de arte que mais se identificou. “O MDF facilita a utilização de cores, miçangas, papel e tecidos, proporcionando uma enorme variação de produtos”, afirmou.

Após ter surgido a ideia de união dos artesãos, ela passou a se dedicar juntamente com os colegas de diversas artes. Adriana participa desde o início do grupo, sempre frequentando os encontros e sugerindo ideias. Atualmente, nas quintas-feiras à tarde, se dedica à loja construída exclusivamente para os artesões do município, junto ao prédio do Ceart.

Amor ao que faz e sucesso profissional

O sucesso na profissão foi tanto que hoje ela tem como trabalho e renda o artesanato, produzindo de acordo com as encomendas. “Geralmente, as pessoas pedem peças que combinem com a decoração de suas casas, por isso não faço muitas peças para exposição”, contou.

O artesanato para ela significa a vida, o hobby, o local para se livrar do estresse. Costuma passar horas criando novas peças e buscando conhecimento, melhorando assim as técnicas de trabalho.

O filho mais velho, 17 anos, gosta muito de desenhar e criar seus próprios trabalhos, já o mais novo, dois anos, afirma que quando crescer vai ajudar a mãe na criação dos artesanatos.

O CEART representa novas oportunidades

Confiante, Adriana revela que a implantação do espaço CEART ajuda a criar a cultura do consumo de artesanato, além de ser um ótimo local para aperfeiçoamento dos artesãos.

No CEART, fez os cursos de patch work, bijuterias, customização de bolsas, boneca de pano, feltro e sabonetes artesanais, todos oferecidos pelo SENAC. Ela afirmou que em cada curso realizado sempre aprende algo novo, que consegue aplicar em seu trabalho diário. “A valorização da administração do Prefeito Luizão para com os artistas e para os jovens tem que ser lembrada. Passamos a ter uma cultura de valorização da arte. O artista passa a ter em Pinhais locais para descobrir e mostrar todo seu potencial. Por exemplo, no CEART existe uma união que fortalece a divulgação e venda dos produtos. Cada um ajuda a valorizar o produto do outro artista”, apontou Adriana.

Produtos de qualidade e verdadeiras obras de arte

Segundo Adriana, o artesanato é uma peça exclusiva, feita com o carinho do artista e pensada em cada cliente. Para ela, é importante que as pessoas passem a valorizar mais o artesanato e invistam nessa linha de produtos, deixando de comparar com produtos industrializados, que não têm o toque único do artesão.

Adriana nos mostrou peças que costumam demorar até uma semana para ficarem prontas, que inclusive estão em exposição na loja do CEART. São peças belíssimas, que foram decoradas com fotos e informações de dezenas de pontos turísticos de Pinhais.

Para mais informações sobre o trabalho da nossa artista da semana acesse o Facebook: Adriana Figueiredo.

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)